03/01/2010

Deposição

ILIDIO SALTEIRO
Deposição, 2000.
Óleo sobre tela, 158 cm x 200 cm.


A aparente dissemelhança entre os quatro trabalhos expostos nesta exposição colectiva, tendo a emoção e a forma a separa-los, têm, no entanto, o pensamento e a razão a uni-los.
A Deposição é uma pintura cujas motivações se fundamentaram em dois momentos muito diferenciados. O primeiro, a Deposição de Roger van der Weiden (1435), com dez figuras que se recortam sobre um fundo sem profundidade como se de baixos-relevos se tratassem, corresponde a uma aproximação ao estatuto de retábulo, tão característico da cultura ocidental. O segundo momento refere-se a uma experiência vivida nas margens do estuário do Tejo, ao longo de cerca de 10 anos, observando barcos à espera dos restauros que muito raramente chegaram.
Esta Deposição é a última pintura de um conjunto de três outras também alicerçadas na iconografia da cultura cristã. A primeira é O Ninho, numa alusão ao nascimento e ao início, a segunda é As Montanhas numa alusão à fuga para o Egipto e aos percursos e, por último, a pintura que aqui se expõe, numa alusão ao fim e ao reinício.