15/10/2018

1º Congreso Internacional ARTE, NATURALEZA Y PAISAJE EN EL MEDITERRÂNEO


Em Ojós, uma pequena cidade na região norte de Murcia, em Espanha, realizou-se nos dias 11, 12 e 13 de outubro de 2018 o I Congresso Internacional Arte, Naturaleza y Paisaje en el Mediterrâneo (https://www.artenaturalezapaisaje.com/).
No seio de uma paisagem surpreendentemente expressiva, simultaneamente agreste e fértil, permanente mente desenhada por sombras de montanhas projetadas sobre vales, sinalizou-se o Mediterrâneo como espaço de limites e fronteiras (Nélida Mendoza, Colgando Paisajes), falou-se dos elementos naturais em confronto com conceitos artificias de paisagem fabricada (José María Egea Fernández, Paisaje agrario e identidad territorial), referiram-se soluções de educação no formal no âmbito da relação professor – artista (Lucia Loren, Arte, paisaje y educación desde un prisma eco-social), sublinhou-se a importância dos pequenos núcleos museológicos (Carmen Berrocal Caparrós, Street Art y Patrimonio. Campaña de divulgación del patrimonio paleontológico de Cueva Victoria a través del arte callejero en el paisaje urbano de la Diputación de El Beal), salientou-se o valor humanista da ação artística no contexto da cultura ocidental e do pensamento e arte contemporâneos apresentando-se soluções em curso para a sustentabilidade dos patrimónios naturais e paisagísticos (Giacomo Bianchi, Il progetto di Arte Sella ed il suo impatto sul territorio" ou João Castro Silva, La Luzlinar y el Jardín de las Piedras. Un proyecto de actuación artística a cielo abierto).
Dias intensos de diálogos e apresentação de muitas ideias e projetos que visam consolidar, em torno do Mediterrâneo, os valores civilizacionais que hoje perigam.
As questões da ecologia e da sustentabilidade, do património cultural passado e da educação, e a produção artística contemporânea como a produção do património cultural futuro, estiveram presentes em todas as comunicações.
De facto, a importância da preservação da memória para a construção de futuros humanistas terá sido a mais-valia retirada deste encontro de pessoas em momento de partilha das matérias das suas investigações.
Será bom que este 1º congresso seja impulsionado para a realização de muitos mais, com a periodicidade que a logística dos meios possibilitar, porque o Mediterrâneo é o berço civilizacional onde residem as raízes da nossa cultura. No início do século XXI surgiram alguns movimentos que vêm esta água e estas margens como um todos rico na diversidade com urgência em ser pacificado. Salientamos Love Difference, uma iniciativa de Miguel Angelo Pistoleto (http://www.lovedifference.org/) e a Fundación Tres Culturas (http://tresculturas.org/)
Ojós é, na realidade, um oásis, juntamente com Archena, Ulea, Blanca e Ricote. Mas metaforicamente também o é, neste tempo de conflitos ambientais e politicos de toda espécie. Oásis onde o pensamento sobre Natureza, Paisagem e Mediterrâneo são o fator aglutinador de concórdias entre diferentes pontos de vistas. É este o valor maior da Arte.
Na Natureza os territórios, as fronteiras e os limites são elementos de discórdias. Mas as paisagens são a perceção global do todo, o entendimento do outro, porque aquilo que espirito abarca nunca possui fronteiras geográficas nem limites.
Aguardamos os próximos congressos.
Ilídio Salteiro, 2018.

20/05/2018

Arquipélagos e Constelações, Ilha 1



Ilídio Salteiro, Ilha 1, 2013. Óleo sobre tela, 27 x 36 cm


ARQUIPÉLAGOS E CONSTELAÇÕES
 ILÍDIO SALTEIRO

Arquipélagos e Constelações, reúne um conjunto diversificado de «quadros» que integram séries, muito numerosas e mais ou menos prolongadas no tempo, produzidas entre 2006 e 2018.
Nesta seleção podemos percecionar um fio condutor em cada um, que acaba por ser elo de união com muitos outros. Este fio condutor corresponde a entendimentos estéticos de diversa índole sobre as formas, a iconografia, o espaço e a luz, e sobre a geografia e a política. Nele vão-se problematizando e discutindo as questões que a pintura e a arte levantam, sobre a matéria e a natureza, através da linguagem plástica e pictórica, concretizadas em «quadros», sistemática e exaustivamente.
A Pintura é uma ação do pensamento sobre a matéria! É um processo de pensamento fundamentado nos modos de rever e refazer o mundo transformando as matérias, físicas e conceptuais, que o compõem. A Pintura refaz, reorganiza, recompõe, reordena e enfatiza as matérias universais, conhecidas ou desconhecidas (Salteiro, O Centro do Mundo, 2013, p. 12).
Cada obra acaba por ser disso testemunho, um testemunho que nos coloca perante as anatomias do pensamento humano.  Arquipélagos e Constelações, o título dado a esta reunião de «quadros», corresponde a conceitos equiparáveis pela união na diversidade e pelos elos endógenos de cada elemento face aos outros e ao todo.
Estas vinte pinturas são fatores de ligação de pensamentos particulares a um outro pensamento universal, que no tempo presente apenas será abarcável, no seu todo, pela vivência da arte e pelo processo intimista da feitura desta.

Ilídio Salteiro (1953), é artista-plástico pintor, investigador e professor de pintura na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Expõe regularmente desde 1979, participando na LIS’81-2ª Bienal de Desenho em 1981 e na III Exposição da Fundação Calouste Gulbenkian em 1986. Está representado na Coleção Culturgest e em outras coleções públicas e privadas. Realizou trinta e duas exposições individuais, das quais se destacam O Centro do Mundo no Museu Militar de Lisboa em 2013, Faróis e Tempestades na galeria da FBAUL e Uma Viagem na Minha Terra no Museu de Lanifícios na Covilhã em 2018. Participa desde os anos 80 em diversos projetos de curadoria e de intervenção social, cultural e artística.
URL:

06/02/2018

Antonio García López, curador de Paisajes Enlazados

«Paisajes Enlazados», Pintura de Ilidio Salteiro, em exposição na FBAUL até 27 de fevereiro